A palavra “consultor” é uma palavra no mínimo charmosa. Não fosse desta forma, não estaria sendo usada de forma tão ampla e generalizada pelas mais diversas profissões: consultor de imóveis, consultor de beleza, consultor técnico, consultor de seguros, consultor de vendas, e por aí vai.

Isto impõe aos Consultores de Organização um desafio inicial: como fazer para diferenciar o trabalho realizado por ele do de tantos outros. O que o Consultor de Organização tem em comum com todos os outros é que ele é um especialista em algum assunto e que ele é contratado quando o cliente considera ter um “problema” que ele próprio não consegue resolver. É aqui que terminam as semelhanças.

O Consultor de Organização é um especialista em questões de gestão (administração) de empresas públicas ou privadas, com ou sem fins de lucro, ou seja, organizações (daí o nome “de Organização”). Como há diversas áreas envolvendo a gestão de empresas, há também especialistas em diversas áreas: financeiro, estratégia, processos, qualidade, vendas, recursos humanos, etc.

O maior problema para clientes de consultoria e para os Consultores de Organização profissionais é ter que lidar com especialistas que acreditam que este fato já os habilita para se apresentarem como Consultores de Organização.

O Consultor de Organização profissional pauta a sua conduta por um código de ética rígido, e o torna público para poder ser cobrado pelos clientes e potenciais clientes quanto a sua conduta.

O Consultor de Organização profissional desenvolveu competências em consultoria de organização especificamente (ou seja, competências necessárias para conduzir todo o processo de consultoria do início ao fim). Para tanto, ele investe permanentemente em autodesenvolvimento.

O Consultor Profissional sabe que ele não resolverá o eventual problema do cliente sem envolver o próprio cliente na busca de uma solução e na implantação da alternativa escolhida. Como os clientes em geral não tem a percepção clara do quanto é importante o seu próprio envolvimento no processo, o Consultor de Organização profissional alerta o cliente e desenha a sua proposta demonstrando ao cliente o tamanho e intensidade de envolvimento requerido dele mesmo para o sucesso do projeto.

O Consultor Profissional ainda assume como a sua obrigação transferir ao cliente todo o conhecimento necessário para que este possa eventualmente lidar com o problema no futuro sem ter que recorrer novamente a um Consultor de Organização.

Estas diferenças que parecem sutis fazem toda a diferença na qualidade dos trabalhos desenvolvidos, no desempenho dos consultores e na satisfação dos clientes.

Como membros do IBCO (Instituto Brasileiro dos Consultores de Organização) procuramos o reconhecimento à condição de Consultores de Organização verdadeiramente profissionais. Para enfatizar mais tal condição, procuramos que os nossos consultores procurem a certificação CMC-Certified Management Consultanto, fornecido por meio do IBCO que atua em nome do ICMCI – The International Council of Management Consulting Institutes, instituição internacional que congrega institutos que representam os Consultores de Organização profissionais no mundo todo, um para cada país e  que desenvolve standards – padrões de desempenho e de conduta – para a profissão e um processo universal de certificação de consultores que gera reconhecimento e reciprocidade entre todos os institutos membros.

Como é que isto pode beneficiar os potenciais clientes de consultoria de organização?  A certificação é a forma que qualquer empresário ou executivo possui para ter certeza de que está contratando um verdadeiro profissional de consultoria de organização, um profissional que não apenas é um especialista em alguma área da gestão de empresas mas também alguém que conhece os limites da sua ação diante dos problemas do cliente, que então explora as potencialidades, conhecimentos e competências que existem dentro da própria organização do cliente e fundamentalmente alguém que consegue administrar o processo de geração e escolha de alternativas de solução e a respectiva implantação de tais soluções. Alguém que põe os interesses do cliente em primeiro lugar, que transfere conhecimento para o cliente e os seus colaboradores e que atua de acordo com princípios éticos conhecidos do cliente e que, portanto, podem ser conferidos e exigidos pelo cliente.

A Norma ISO 20700, que entrou em vigor em Junho de 2017 – desenvolvida em conjunto com o ICMCI – é um exemplo de promoção da melhoria da qualidade dos serviços de consultoria de organização. Esta norma, não certificável, fornece diretrizes para a entrega efetiva dos serviços de consultoria de organização e recomendações para melhorar a especificação, execução aceitação e encerramento de serviços de consultoria de organização. Se aplica a todos os fornecedores de serviços de consultoria de organização, empresas ou indivíduos, para qualquer tipo de projeto e para qualquer tipo de cliente. A IRON afirma agir em todo de acordo com ela, convictos que estamos que ela nos fornece um padrão que nos permite demonstrar aos nossos clientes a capacidade e competência dos nossos serviços profissionais.

Convidamos os empresários a navegar pelos capítulos da Norma ISO 20700 que mostram os mecanismos de procura, escolha e contratação de consultoria mais adequados assim como uma melhor visibilidade com relação ao uso e benefícios dos serviços de consultoria de organização, reduzindo significativamente os riscos inerentes à contratação dos mesmos.

Compartilhe nas suas redes sociais:

Perfil do Colunista

Cristian Welsh Miguens
Cristian Welsh Miguens
Cristian Welsh Miguens foi Presidente do IBCO-Instituto Brasileiro dos Consultores de Organização e Delegado diante do ICMCI; é sócio Diretor da IRON Consultoria; foi Professor da Escola de Negócios da Universidade Anhembi Morumbi em São Paulo.